Notícia

Sistema cartorário brasileiro está entre os mais modernos do mundo

Tags:
Publicado em: 7/01/2021
Compartilhe

Cartórios constituem um serviço público privatizado que, além de desonerar o Estado, ainda gera recursos para subsidiar outras atividades públicas em todo o país

Similar ao sistema utilizado em mais de 88 países, a grande maioria países desenvolvidos como Alemanha, Itália e Japão, e com muitos aperfeiçoamentos nos últimos anos, o sistema cartorário brasileiro é atual, moderno e referência para várias outras nações, que estudam a sua implantação. Hoje, os cartórios constituem um serviço público privatizado, que, além de desonerar o Estado, ainda gera recursos para subsidiar outras atividades públicas em todo o país.

Os serviços notariais e de registros brasileiros têm um papel fundamental na desburocratização e desoneração do Estado. A lei 11.441/07 atribui aos Tabelionatos atividades que antes eram exclusivas do Poder Judiciário, o que colabora decisivamente para desafogar a Justiça. Esse trabalho também resultou em agilidade para inúmeras questões de interesse do cidadão e uma economia de aproximadamente R$ 4 bilhões aos cofres públicos, nos mais de dez anos em que a lei está em vigor. Para se ter uma ideia rápida da grandeza desse número, essa economia possibilita, por exemplo, a construção de 182 hospitais.

Isso significa que os titulares e toda a infraestrutura e o pessoal dos cartórios não custam dinheiro algum aos cofres públicos. Além disso, o valor dos serviços é instituído exclusivamente pelo Poder Judiciário, ajudando a custear outras atividades públicas.

O governo federal, por exemplo, fica com 27,5% do valor de cada serviço, como imposto de renda. O Imposto sobre serviço (ISS) fica com cerca de 5% dos rendimentos, dependendo da cidade; o Fundo de Apoio ao Registro Civil das Pessoas Naturais do Estado do Espírito Santo (Farpen) com cerca de 2% dos valores; a Defensoria Pública, a Procuradoria Geral do Estado (PGE) e o Ministério Público com 5% cada e o Poder Judiciário com 10% dos valores cobrados. Menos de 40% fica disponível para o delegatório, que arca com toda infraestrutura e folha de pagamento necessária ao funcionamento.

Não se pode deixar de mencionar que, constantemente, as serventias extrajudiciais são cobradas pelo Poder Judiciário para que implementem mecanismos e sistemas informatizados de alto padrão, o que gera a necessidade de se fazer investimentos custosos. O titular do cartório não recebe nenhuma ajuda de custo ou subsídio do Estado, ou seja, o dinheiro sai de seu próprio bolso e não pode ser deduzido em Livro Caixa, conforme entendimento da Receita Federal.

Outra grande contribuição dos cartórios se refere ao apoio ao aparato de fiscalização do país, contra a sonegação e a lavagem de dinheiro. Dependendo do serviço, o cartório é obrigado a informar as ações ao órgão competente. Um exemplo é a transferência de propriedade do imóvel. Ninguém pode vender ou comprar sem que haja a comunicação da transação à Receita Federal.

Os cartórios também informam gratuitamente ao INSS todos os óbitos ocorridos no mês, o que faz com que o sistema previdenciário brasileiro economize cerca de R$ 89 milhões por ano com a suspensão imediata do pagamento de benefícios que, sem esta informação, continuariam a ser pagos indevidamente.

Por essas e inúmeras outras razões, os cartórios brasileiros são uma ferramenta fundamental para desonerar e desburocratizar o Estado. Além de serem essenciais para garantir segurança jurídica aos mais diferentes atos praticados pelos cidadãos, desde o seu nascimento até às inúmeras realizações e conquistas ao longo de toda a sua vida.

Leia também

Lei autoriza que exame de DNA seja feito em parentes do suposto pai
Notícia

Lei autoriza que exame de DNA seja feito em parentes do suposto pai

A norma foi publicada no DOU desta segunda-feira, 19 Em casos de o suposto pai ter falecido ou não existir notícia de seu paradeiro, o juiz determinará a realização do exame de pareamento do código genético (DNA) em parentes consanguíneos, preferindo-se os de grau...

Print de WhatsApp apresentado de forma unilateral não é prova válida
Notícia

Print de WhatsApp apresentado de forma unilateral não é prova válida

A 2ª turma do TRT-18 manteve a validade do pedido de demissão feito por um técnico de produção de uma empresa de embalagens na região sul de Goiás. O colegiado entendeu não haver provas de que a indústria tivesse aceitado realizar um acordo e nem que tivesse forçado o...