Notícia

Como tirar a escritura do imóvel online?

Tags:
Publicado em: 5/10/2020
Compartilhe

A escritura de imóveis é uma declaração pública que oficializa a transferência do bem, ou seja, é um documento fundamental para assegura a compra de sua casa, apartamento ou terreno. O cartório de notas é o responsável por emitir e por validar as firmas dos signatários do acordo.

Este serviço pode ser solicitado também pela internet com o certificado digital notarizado em mãos, caso não tenha será preciso ir a um tabelionato de notas e solicitar a emissão.

O pedido da escritura imobiliária deve ser feito pelo portal e-Notariado https://www.e-notariado.org.br/ no computador ou baixar o aplicativo desenvolvido pelo Colégio Notarial do Brasil (CNB) no celular, preencher os dados básicos do imóvel, do vendedor e do comprador e enviar para o tabelionato de sua preferência.

Todas as certidões e emissões de guias de pagamento serão providenciadas pelo tabelião. Preenchido os dados, o sistema informará um número de identificação da solicitação para que o cidadão possa acompanhar todo o procedimento pelo site ou aplicativo.

Depois disso, o tabelião entrará em contato com o requerente para as orientações necessárias e sequência dos procedimentos até a lavratura da escritura, que realizada por videoconferência. Aliás, o solicitante vai assinar, digitalmente, a escritura.

Passo a passo

Identificação – Use seu certificado digital ICP-Brasil ou emita o certificado digital e-Notariado

Passo 1: Encontre um cartório cadastrado como Autoridade Notarial em www.e- notariado.org.br/customer/service-providers

Passo 2: Dirija-se ao Cartórios de Notas com o documento de identidade e comprovante de residência para retirar seu certificado.

Solicite seu atoPasso 3: Faça o login com seu certificado digital em www.e-notariado.org.br/customer Passo 4: Solicite seu ato notarial
Passo 5: Envie os documentos necessários em formato PDF
Passo 6: Agende sua videoconferência

Realização do AtoPasso 7: Acesse o link da videoconferência enviado por e-mail e participe do ato Passo 8: Instale a extensão WebPKI (Passo a passo durante o ato)
Passo 9: Acesse o ato notarial enviado por e-mail
Passo 10: Assine o ato notarial utilizando seu certificado digital

Imóvel sem escritura

Há uma série de dificuldades adicionais para o caso de propriedades que não tenham escritura. Bancos não aceitam fazer financiamentos para esses imóveis e a própria regularização pode ter custos maiores do que o gasto com a escritura em si. 

Além disso, há o risco da má fé do vendedor, afinal, ele poderá negociar o mesmo imóvel para mais de uma pessoa. Nesse caso, o dono será aquele que obtiver a escritura.

Como regularizar

O primeiro passo é conseguir a matricular o imóvel. Para isso, vá até o Cartório de Registro de Imóveis da cidade. No documento constará tudo o que envolve a propriedade do imóvel, como possíveis dívidas e históricos de transações.

A principal dica é de que no momento da compra seja exigida a matrícula atualizada, no máximo 30 dias depois de expedida. Isso atesta que o imóvel não conta com restrições recentes. O documento de matrícula custa, em média, R$ 50.

Já o custo da escritura pode variar bastante de estado para estado. De acordo com a tabela oficial do Estado de São Paulo, para um bem com valor de venda de R$ 514 mil, por exemplo, o preço cobrado pelo cartório para produção da escritura pública é de R$ 3.630,52.

Ao fazer a escritura do imóvel, o proprietário deve estar preparado para outras despesas, como o pagamento do Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), que é aplicado no momento da assinatura da escritura. Seu valor é definido pelo município e, em geral, varia entre 2% e 4%. Na cidade de São Paulo, o ITBI é 2% do valor do imóvel.

Fonte: O Estado de São Paulo

Leia também

Lei autoriza que exame de DNA seja feito em parentes do suposto pai
Notícia

Lei autoriza que exame de DNA seja feito em parentes do suposto pai

A norma foi publicada no DOU desta segunda-feira, 19 Em casos de o suposto pai ter falecido ou não existir notícia de seu paradeiro, o juiz determinará a realização do exame de pareamento do código genético (DNA) em parentes consanguíneos, preferindo-se os de grau...

Print de WhatsApp apresentado de forma unilateral não é prova válida
Notícia

Print de WhatsApp apresentado de forma unilateral não é prova válida

A 2ª turma do TRT-18 manteve a validade do pedido de demissão feito por um técnico de produção de uma empresa de embalagens na região sul de Goiás. O colegiado entendeu não haver provas de que a indústria tivesse aceitado realizar um acordo e nem que tivesse forçado o...