Notícia

Brasil já tem mais de 22 mil documentos registrados em blockchain, de divórcios a testamento

Tags:
Publicado em: 4/12/2020
Compartilhe

Rede Blockchain dos cartórios já registrou no Brasil mais de 22 mil documentos de divórcios a testamento

A rede em blockchain desenvolvida pelo Colégio Notarial do Brasil – Conselho Federal (CNB/CF), já registrou mais de 22 mil documentos em todo o Brasil, segundo informou o portal Blocknews.

Entre os documentos registrados pela rede, chamada Notarchain, e integrada ao e-Notoriado, estão certidões de divórcios, testamentos, transferências de imóveis, testamentos, entre outros.

“A nossa solução foi criada institucionalmente porque o cartório depende de leis e normas para tudo. É um segmento muito regulamentado e fiscalizado. Por isso, queríamos uma solução uniforme para todo o país e fiscalizado pelo CNJ”, disse ao portal Giselle Oliveira de Barros, presidente do Colégio Notarial do Brasil.

Notarchain

A Notarchain é uma das tecnologias mais recentes criadas pelo CNB/CF, e tem como objetivo garantir por meio da blockchain  a segurança dos atos lavrados por tabelionatos no meio eletrônico.

No ano passado a tecnologia foi usado na eleição do Quinto Constitucional ao TJ/DFT.

“Foi motivo de grande honra participarmos desse importante ato que autenticou e fez persistir os logs da importante eleição para o Quinto Constitucional ao TJ/DFT, que será ocupado por um advogado da OAB/DF”, afirmou na época o tabelião do 1º Ofício do Núcleo Bandeirante de Brasília, Hercules Benício, que assinou digitalmente a ata notarial que deu persistência à eleição.

Ancorado ao e-notariado, os serviços de Backup em Nuvem e Notarchain são soluções para garantir a segurança jurídica de atos eletrônicos e prevenir fraudes.

Todo o sistema foi criado por técnicos e especialistas em Tecnologia da Informação juntamente aos notários da diretoria do Colégio Notarial do Brasil, o que assegura que o desenvolvimento tenha sido inteiramente voltado para a conformidade jurídica dos atos.

Fonte: Cointelegraph

Leia também

Lei autoriza que exame de DNA seja feito em parentes do suposto pai
Notícia

Lei autoriza que exame de DNA seja feito em parentes do suposto pai

A norma foi publicada no DOU desta segunda-feira, 19 Em casos de o suposto pai ter falecido ou não existir notícia de seu paradeiro, o juiz determinará a realização do exame de pareamento do código genético (DNA) em parentes consanguíneos, preferindo-se os de grau...

Print de WhatsApp apresentado de forma unilateral não é prova válida
Notícia

Print de WhatsApp apresentado de forma unilateral não é prova válida

A 2ª turma do TRT-18 manteve a validade do pedido de demissão feito por um técnico de produção de uma empresa de embalagens na região sul de Goiás. O colegiado entendeu não haver provas de que a indústria tivesse aceitado realizar um acordo e nem que tivesse forçado o...