Notícia

União Estável – Saiba o que é e como funciona

Tags:
Publicado em: 30/09/2020
Compartilhe

A união estável é uma situação informal, que não altera o estado civil dos conviventes e que pode ser provada de diversas formas, como, contas correntes conjuntas, testemunhas, disposições testamentárias, apólice de seguro, entre outras.

Quais são os tipos de casamento existentes?

Casamento civil:

Caracteriza a união de duas pessoas que estabelecem comunhão plena de vida, tendo igualdade de direitos e deveres, ele é realizado em Cartório de Registro Civil, uma vez realizada a cerimônia, é emitida uma Certidão de Casamento, documento que formaliza a União.

Casamento religioso:

É considerado um rito de cada crença, perante autoridade religiosa e é necessário ser acompanhado de registro em cartório (casamento religioso com efeito civil), a união não será legalmente formalizada e os noivos permanecem com o estado Civil de solteiros.

Casamento religioso com efeito civil:

É realizado após celebração religiosa, o casal apresenta em um prazo de 90 dias, o termo de casamento emitido pela autoridade religiosa para formalização perante o registro civil.

Para este ato é necessário a habilitação das partes em cartório ( análise documental) o mesmo que ocorre no casamento civil.

O que é União estável?

Esta relação é caracterizada como uma convivência pública, contínua e duradoura que tem o objetivo de construir um âmbito familiar.

Para este ato não há necessidade de que o casal resida na mesma habitação para que o vínculo seja configurado.

Qual o tempo necessário para configurar união estável

A muito tempo atrás, exigia-se um prazo de 5 (cinco) anos ou a existência de prole para se configurar uma união estável.

Nos tempos de hoje, este prazo não existe, este ato é subjetivo, vai depender da forma que você apresenta a pessoa à sociedade e da vontade de se constituir família.

Porém para fins previdenciários, a lei 13. 135/15 exige o prazo de 2(dois) anos para se obter os benefícios.

É possível o casamento ou união estável entre pessoas do mesmo sexo?

O casamento civil e a união estável entre pessoas do mesmo sexo estão amparados em decisões do Superior Tribunal Federal (STF) e em resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que impedem negativa dos cartórios à habilitação, celebração de casamento civil ou de conversão de união estável em casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Os direito dos casais homossexuais são os mesmos garantidos aos heterossexuais.

A união estável precisa ser registrada em cartório?

A união  estável não exige registro formal de sua existência, mas se for do interesse do casal, é possível formalizar a união por meio de escritura pública em cartório.

É necessário que ambas as partes compareçam ao cartório com seus documentos pessoais, não é necessário a presença de advogados.

Esta ação pode ser importante para o casal em situações como a inclusão de dependentes em planos de saúde e seguros de vida, além de documentar a data de início da união.

Quais são os direitos de quem vive uma união estável?

A união estável é reconhecida como entidade familiar e por isso garante às partes os mesmos direitos e deveres previstos no casamento:

  • Fidelidade recíproca;
  • Vida em comum;
  • Mútua assistência;
  • Sustento, guarda e educação dos filhos;  respeito e consideração mútuos.

Como é realizado o divórcio e a dissolução da união estável?

Tanto o divórcio quanto a dissolução da união estável são semelhantes e podem ocorrer no âmbito administrativo, ou seja, não há necessidade de ingressar em juízo ou na esfera judicial.

Veja as diferenças de cada modalidade:

Extrajudicial

Nesta modalidade o divórcio ou a dissolução de união estável são realizados em cartório na presença do casal, só é possível optar por esta forma de dissolução quando:

Não haja filhos menores;

O casal de forma consensual, sem divergências, concorde com o término do vínculo, a partilha de bens e eventual pagamento de pensão alimentícia.

O divórcio ou a dissolução da união estável é realizada por meio de escritura pública que após expedida, deve ser levada ao Cartório de Registro Civil onde foi realizado o casamento ou registro da união estável para averbação.

Judicial

Esta ação ocorre quando houver filhos menores de idade e quando existirem divergências entre o casal quanto a qualquer das questões relacionadas à dissolução do vínculo, como, a partilha de bens, a guarda de filhos ou pensão alimentícia.

Este tipo de ação pode ser realizada de forma consensual ou litigiosa.

Em todo caso, é necessário ingressar em juízo por meio de advogado (particular ou, se não houver condições econômicas para a contratação por meio da Defensoria Pública ou de advogado nomeado pelo juízo, de forma dativa), com uma ação de divórcio ou dissolução de união estável.

Diferença entre divórcio judicial consensual e litigioso?

Consensual

Este ocorre quando o casal não tem qualquer tipo de divergência, ou seja, ambos estão de acordo com o fim do casamento e concordam quanto aos demais termos, como partilha de bens, guarda dos filhos e pagamento de pensão alimentícia.

Litigioso

Nesta situação ocorre alguma divergência entre as partes, que pode ser em relação à partilha dos bens ou guarda dos filhos, ou até mesmo quando uma das partes concorda com a dissolução da união.

Assim, cada um terá seu próprio advogado e ao final do processo, ouvido o Ministério Público, o juiz proferirá sentença decidindo sobre todas as questões. 

Fonte: Jornal Contábil

Leia também

STJ: É ilícita prova obtida por meio de prints do WhatsApp Web
Notícia

STJ: É ilícita prova obtida por meio de prints do WhatsApp Web

A 6ª turma do STJ reconheceu que mensagens obtidas por meio do print screen da tela do WhatsApp Web devem ser consideradas provas ilícitas, e, portanto, desentranhadas dos autos. Para os ministros, eventual exclusão de mensagem enviada ou recebida não deixa vestígios,...

STJ proíbe implantação de embriões após morte de um do cônjuges
Notícia

STJ proíbe implantação de embriões após morte de um do cônjuges

Em votação de 3 a 2, ministro fixaram que a implantação necessita de manifestação inequívoca, expressa e formal do cônjuge falecido A 4ª turma do STJ fixou, nesta terça-feira, 8, a impossibilidade de implantação de embriões após morte de um do cônjuges sem...

Pandemia leva famílias a planejarem sucessão de bens de forma prática
Notícia

Pandemia leva famílias a planejarem sucessão de bens de forma prática

Aumento no número de mortes no país, causadas pela pandemia do novo coronavírus, tem levado famílias a planejarem o legado dos bens para as futuras gerações. Registros em cartórios aumentaram mais de 130% ao longo do ano passado A pandemia do novo coronavírus fez o...