Notícia

Testamento vital – documento dá o direito de escolher os cuidados para o fim da vida; entenda

Tags:
Publicado em: 25/05/2021
Compartilhe

Qualquer procedimento de cuidado de saúde pode ser incluído, desde que se tratem de atividades lícitas no Brasil — o que não é o caso da eutanásia e da distanásia

Nos Estados Unidos e em países da Europa, é comum que as pessoas elaborem diretivas de vontade sobre cuidados de saúde e coloquem na geladeira para que, caso uma equipe de saúde ou de emergência chegue, saiba como agir. Apesar de não ser tão popular no Brasil, o testamento vital, uma dessas diretivas, dá o direito a qualquer pessoa maior de 18 anos a decidir previamente sobre os cuidados que quer receber no fim da vida. Qualquer pessoa maior de idade e que seja lúcida pode elaborar o documento projetando hipóteses de situações em que ela estará gravemente doente e impossibilitada de manifestar vontade, como em momentos tidos pela medicina como incuráveis ou irreversíveis. A morte do prefeito de São Paulo, Bruno Covas, reacendeu o debate sobre o documento. Nos seus últimos dias de vida, o tucano conversou com os médicos e destacou sua vontade de não ser intubado. Em entrevista à Jovem Pan, o governador João Doria afirmou que Covas queria “viver no seu tempo e da sua forma”. O testamento vital dá a oportunidade de que essas decisões sejam tomadas em total consciência – antes de ser acometido por uma doença. “Eu costumo dizer que o testamento vital é a nossa voz para quando a gente perder a voz. Então, a importância deste documento é poder chegar até o ultimo segundo da nossa vida sendo tratado como nós desejamos. O objetivo do testamento vital é não deixar a tomada de decisão para o profissional de saúde ou para os familiares”, explica a advogada Luciana Dadalto, administradora do site Testamento Vital, que centraliza as informações sobre o tema no Brasil.

Qualquer procedimento de cuidado de saúde pode ser incluído no testamento vital, desde que se tratem de atividades lícitas no Brasil — o que não é o caso da eutanásia, que é a antecipação da morte, ou da distanásia, que é a prolongação do sofrimento. A líder de cuidados paliativos do Grupo Oncoclínicas, a médica paliativista Sarah Ananda Gomes, afirma que, aqui no Brasil, não existe um modelo padrão a ser seguido, mas existem plataformas que ajudam a elencar alguns procedimentos. “Em 2020, a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia criou um aplicativo chamado Minhas Vontades para estimular que as pessoas registrem suas diretivas. Porém, a melhor forma é o paciente conversar com o médico para que o profissional esclareça da melhor forma o que pode ser incluído no testamento ou não”, explica. Um ponto que ainda gera debates é o da doação de órgãos. Ainda que o paciente a inclua no testamento vital, já que não há nada que a impeça, existe uma lei que dá a última palavra para os familiares. “A doação de órgão é um procedimento feito pós-morte e a diretiva antecipada é como o paciente quer ser cuidado ainda em vida — no momento final, mas ainda em vida. O objetivo do testamento vital é justamente falar como você quer ser cuidado nesse momento final”, completa a médica.

Como e quando fazer?

De acordo com a médica, esse assunto pode ser abordado a qualquer momento. “A pessoa não precisa estar com uma doença ameaçadora. A gente fala que o melhor momento é quando a pessoa está bem, porque não sabemos quando podemos perder a nossa consciência. Então, o quanto antes fizer esse documento, as diretivas antecipadas, melhor. O que mais comumente ocorre é quando a pessoa tem diagnóstico de uma doença que pode ser potencialmente fatal, então ela já realiza essa manifestação da vontade”, explica. A advogada Luciana Dadalto orienta que, antes de dar entrada nos trâmites de fato, é importante fazer um exercício de autoconhecimento para que você decida o que quer ou não. “Você precisa conseguir pensar na própria finitude, na própria mortalidade”, orienta. Depois, o ideal é procurar um profissional que tenha alguma formação específica em fim de vida — pode ser um geriatra, oncologista, paliativista, etc — para que você receba informações técnicas sobre os procedimentos. “Eu sempre sugiro também a consulta a um advogado porque, como não temos uma lei específica sobre testamento vital, ele vai ajudar a pessoa a não colocar informações que são contra a lei. E, apesar de não precisar registrar em cartório, pode ser feito em casa e assinar de próprio punho, acho importante lavrar a escritura em um cartório de notas para dar mais segurança ao documento. Não é obrigatório, mas é importante.”

Sarah Gomes complementa a fala de Luciana Dadalto e diz que o testamento vital não possui prazo de validade e pode ser revogado a qualquer tempo. “Se alguém registra em cartório ou fala com a equipe de saúde e faz registro em prontuário, se ele quiser revogar ou modificar isso, isso pode ser feito a qualquer momento pela própria pessoa. Aqui no Brasil é sempre importante a gente designar o representante de saúde, ou seja, aquela pessoa que a gente quer que tome decisões. Mesmo que você até tenha feito um testamento vital e que você já coloque todas as suas decisões, o papel de representante é importante porque se tiver alguma coisa que não está contemplada no documento, ele é a pessoa que a equipe de saúde vai consultar para tomar decisões no momento que o paciente estiver inconsciente e não puder responder por ele mesmo.”

E se a família não concordar?

Luciana Dadalto explica que esse documento, por se tratar de manifestação de vontades, prevalece sobre a decisão dos familiares ou profissionais da saúde. “Estamos falando de um direito de autodeterminação, direito de chegar até o fim da vida decidindo sobre ela. Essa visão da família não concordar é algo que tem muito a ver com a nossa cultura que objetifica o paciente e entende que, quando ele está gravemente doente, já não tem condições de manifestar vontade. E isso não é verdade. Esse é o objetivo do testamento vital: que ele possa decidir por ele mesmo, ainda que não possa manifestar essa vontade.” Porém, pela ausência de leis, as garantias ainda são complicadas. “Em países que o testamento vital já faz parte da cultura, temos processos contra médicos e familiares por descumprimento do testamento vital.”

Por isso é importante o diálogo com a família. A médica Sarah Gomes completa. “A família não tem direito a não autorizar. Essa opção não pode ser dada à família, a gente tem que mudar essa cultura. Se a pessoa expressou seu desejo, a família deve ser acolhida pela equipe e explicar as vontades do paciente e a obrigatoriedade em seguida. Em última instância, se qualquer pessoa da família impedir a efetivação da vontade, aí o caso deve ser levado ao poder jurídico. Apesar da gente não ter uma legislação, a resolução do CFM 1995/2012 reconheceu a validade das diretivas, deixando evidente a importância de respeitar a autonomia do paciente — quando este decide sobre seus cuidados e tratamentos aos quais deseja ser submetido ou não.”

Fonte: Jovem Pan

Leia também

SAIBA COMO REALIZAR INVENTÁRIO ONLINE DE FORMA SEGURA
Notícia

SAIBA COMO REALIZAR INVENTÁRIO ONLINE DE FORMA SEGURA

Saiba como realizar inventário online com segurança jurídica Inventário com herdeiros localizados em municípios diferentes, inclusive no estrangeiro, poderá ser realizado online com toda segurança jurídica, sem a necessidade de deslocamento a cartórios ou...

STJ MARCA SESSÃO PARA CASO DE MULHER QUE QUER BENS DA ESPOSA DO AMANTE
Notícia

STJ MARCA SESSÃO PARA CASO DE MULHER QUE QUER BENS DA ESPOSA DO AMANTE

Julgamento está marcado para a próxima terça-feira (14/12), depois de TJ/RS ter dado ganho de causa para a amante A 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça pautou para próxima terça-feira (14/12), às 14h, o julgamento de um recurso no qual a mulher pede partilha...