Notícia

Pandemia leva famílias a planejarem sucessão de bens de forma prática

Tags:
Publicado em: 4/06/2021
Compartilhe

Aumento no número de mortes no país, causadas pela pandemia do novo coronavírus, tem levado famílias a planejarem o legado dos bens para as futuras gerações. Registros em cartórios aumentaram mais de 130% ao longo do ano passado

A pandemia do novo coronavírus fez o brasileiro acordar para a necessidade de deixar de lado o preconceito com o planejamento sucessório. Diante das mortes precoces pela covid-19, houve uma profunda alteração na cultura de que é mau agouro deixar pronto um testamento, segundo advogados que militam com o direito de família e nas varas de órfãos e sucessões.

O avanço da covid-19 no país — que nas últimas 24 horas fez mais 1.692 mortes, totalizando 469.388 óbtios, segundo o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) — fez o número de testamentos disparar no Brasil. Os registros em cartórios aumentaram mais de 130% ao longo de 2020. A lei brasileira tem várias especificidades, mas, no geral, 50% do patrimônio do falecido vão para ascendentes, descendentes e cônjuges — os herdeiros necessários. Mas há casos em que, se não for feito um testamento, outros parentes, mesmo aqueles que há anos não têm qualquer relação com a pessoa que morreu, podem reivindicar a herança e até mesmo ganhar a causa. Isso ocorre, por exemplo, com primos que pretendem levar parte daquilo que deixou um tio, sem que tenham sido contemplados no testamento.

“Eles não têm qualquer direito certo à herança, mas, caso não haja qualquer indicação de vontade, podem acabar se beneficiando. Por isso, se há alguém a quem se quer deixar uma propriedade, é fundamental que isso esteja declarado”, destacou Hugo Cysneiros, advogado especialista em direito empresarial.

A administradora de empresas Joana de Bezerra Moura, 44 anos, tem dois filhos de oito anos, os gêmeos Rafael e Sofia, e é divorciada. Ela decidiu registrar o testamento em cartório para evitar problemas no futuro. “Procurei um advogado e o procedimento foi rápido. Foi importante saber que temos 50% disponível, além do obrigatório para a família, e que é possível dar orientações até mesmo sobre quem vai cuidar de nós na velhice, por exemplo. Não concordo com essa superstição de que, quando se fala em testamento, se está atraindo a morte”, assinalou.

O cartório, também, agilizou o processo. “Me fizeram perguntas importantes para que ficasse demonstrado que eu estava fazendo o testamento pela própria vontade e não estava sendo coagida”, explicou.

Ela disse, ainda, que aproveitou a oportunidade para deixar uma mensagem didática aos filhos, além de indicar a irmã para tomar decisões quando ela “faltar”. Como Rafael e Sofia ainda são pequenos, Joana diz que a intenção é que, ao longo do tempo, sejam feitos ajustes no documento.

Fonte: Correio Braziliense

Leia também

STJ: É ilícita prova obtida por meio de prints do WhatsApp Web
Notícia

STJ: É ilícita prova obtida por meio de prints do WhatsApp Web

A 6ª turma do STJ reconheceu que mensagens obtidas por meio do print screen da tela do WhatsApp Web devem ser consideradas provas ilícitas, e, portanto, desentranhadas dos autos. Para os ministros, eventual exclusão de mensagem enviada ou recebida não deixa vestígios,...

STJ proíbe implantação de embriões após morte de um do cônjuges
Notícia

STJ proíbe implantação de embriões após morte de um do cônjuges

Em votação de 3 a 2, ministro fixaram que a implantação necessita de manifestação inequívoca, expressa e formal do cônjuge falecido A 4ª turma do STJ fixou, nesta terça-feira, 8, a impossibilidade de implantação de embriões após morte de um do cônjuges sem...